Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MANGUALDE "recordar"

Mangualde, no distrito de Viseu, Beira alta, Portugal, cujo foral foi concedido em 1102 pelo Conde D. Henrique. ( todo o conteúdo do blogue é divulgação de pesquisa e não autoria de "MANGUALDE"recordar" )

MANGUALDE "recordar"

Mangualde, no distrito de Viseu, Beira alta, Portugal, cujo foral foi concedido em 1102 pelo Conde D. Henrique. ( todo o conteúdo do blogue é divulgação de pesquisa e não autoria de "MANGUALDE"recordar" )

FOTO 1 MANGUALDE ANTIGO

11054459_1560436847539888_424292629496593846_n.jpg

 Foto do ano .......

Alguém sabe o ano da foto?

Bombeiro do Ano

Foi no ano de1984 que os Bombeiros de Mangualde viram um dos seus homens, Fernando Barroso, a ser distinguido como o "Bombeiro do Ano".

 

304144_187281181347376_100001964866127_410806_1135

 Foi o justo reconhecimento pelo salvamento de duas mulheres num incêndio industrial.

Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão

O Real Mosteiro de Santa Maria localiza-se na povoação de Vila Garcia, freguesia de Fornos de Maceira Dão.

P5210216.JPG

 

História

Foi fundado por Sueiro teodoniz em 1161, primitivamente na possessão de Moimenta, obedientes à regra da Ordem de São Bento Desde cedo, entretanto, abraçaram a regra da Ordem de cister, tornando-se obedientes ao Mosteiro de Alcobaça. Poucos anos mais tarde, em 1173, foi transferido para Fornos de Maceira Dão. D. Afonso Henriques foi seu protector, pelas prerrogativas e grandes coutos com que o dotou. Nos séculos anos seguintes o seu património aumentou muito, mercê das doações que os fiéis lhe iam oferecendo.

Em 1560, o Cardeal D. henrique determinou que os bens dos extintos conventos das freiras Bernardas e de S. João do Vale de Madeiros lhe fossem anexados.

Com a Extinção das ordens religiosas masculinas em 1834, os coutos de Maceira Dão passaram a integrar o concelho de Mangualde. Em 1837, a Câmara Municipal deliberou no sentido da sua administração.

Na década de 1960, o conjunto foi adquirido por uma família de Pombal, que passou a explorar a propriedade, embora não dispondo de recursos para a conservação do imóvel histórico.